terça-feira, 28 de junho de 2011

Revolução homossexual: movimento ideológico contra a Igreja e o povo católico


A manifestação homossexual denominada Europride, que se realizou em Roma dissimulada sob uma fachada de “direitos humanos”, patenteou seu fundo ferozmente ideológico contrário à Igreja e à família.

Paolo Patane, diretor de Arcigay – grupo de ativistas homossexuais fundado nos anos 80 –, explicitou o fundo político-ideológico do movimento. Este visa derrubar o governo da Itália, qualificado desdenhosamente por ele de “retrógrado”, e mudar o modo de pensar do povo italiano, que adere ao conceito de família ensinado pelas Escrituras.

“É o governo mais retrógrado que a Itália já viu desde a última guerra mundial”, disse. Logo desqualificou o Parlamento eleito pela vontade popular, que “jamais aprovará uma legislação que contradiga o conceito de família defendido pelo Vaticano”. Em outras palavras, quem não partilha a ideologia do movimento homossexual – ainda que seja o Parlamento, que representa a maioria da Nação – é digno de abjeção.

Para Patane, o grande desafio para os homossexuais consiste em quebrar na sociedade a influência da religião católica e da “hierarquia vaticana”.

Outro líder anticristão, Vladimir Luxuria, deputado transexual que não pode se reeleger, alegremente acusou: “Este parlamento é homófobo dos pés à cabeça”. E misturando fascismo com homofobia prosseguiu, proferindo injúrias que o respeito impede de reproduzir.

Sobre o terreno do Circo Massimo – regado pelo sangue de incontáveis mártires cristãos –, uma multidão proferia injúrias contra a Igreja e clamava “Habemus Gaga”, referindo-se assim sacrilegamente à cantante pornográfica que foi o centro das atenções e ovacionada como “papisa” do anticristianismo, segundo “La Stampa”.

A estrela da obscenidade explicitou o fundo filosófico igualitário do movimento homossexual: “Queremos igualdade plena. Estou furiosa como vocês. Façamos a revolução do amor”, disse segundo "La Repubblica", justificando a transformação profunda visada pela Revolução sexual.


terça-feira, 21 de junho de 2011

Casamento não soluciona crise das vocações, mostra arcebispo ucraniano

Dom Sviatoslav Shevchuk, arcebispo mor dos ucranianos
O novo arcebispo maior de Kiev, D. Sviatoslav Shevchuk, eleito como cabeça da Igreja Greco-Católica da Ucrânia, explicou o grande afluxo de jovens aos seminários desse rito. Nesse rito a idade média dos padres é de 35 anos.

“A juventude do clero, disse à agencia Zenit, não é justificada pela possibilidade dos sacerdotes greco-católicos se casarem, mas pela grande efervescência que se seguiu à queda dos regimes comunistas”.

Nos ambientes progressistas espalha-se há tempos que a Igreja deveria aceitar o casamento dos padres e aceitar alguma forma de socialismo ou comunismo para atrair candidatos aos seminários cada vez mais vazios.

O testemunho do novo e jovem arcebispo-mor dos ucranianos católicos desmente esses erros: a perspectiva de casamento não atrai e a liquidação do comunismo fez crescer as vocações.

quarta-feira, 15 de junho de 2011

Palestra de Dom Luiz Bergonzini, em defesa da família e da vida humana inocente



No próximo dia 20 de junho temos um compromisso. O Instituto Plinio Corrêa de Oliveira está promovendo mais um importante evento, com o objetivo de coligar forças em defesa da vida humana inocente e da família.

A cultura da vida contra a cultura da morte

Cristãos, não tenhais medo: mobilizemo-nos em defesa da vida e da família.
Temos visto, ao longo dos últimos anos sobretudo, uma investida internacional para implantar o aborto em todos os países e destruir a família, com projetos de "casamento" homossexual, "lei da homofobia", entre outros.
No Brasil a agenda abortista está encontrando vigorosas reações, e aí está nossa esperança.

Uma das vozes que se levantaram a nível nacional contra a lei do aborto foi Sua Excelência Reverendíssima, o Bispo de Guarulhos, Dom Luiz Gonzaga Bergonzini.

Por esta razão o convidamos para tratar do assunto, e da importância da mobilização para impedir que o aborto seja imposto em nossa Pátria.

De fato, ou ficamos de guarda e avançamos, ou as manobras sorrateiras, tão utilizadas pelos movimentos pró-aborto, vão acabar empurrando essa prática ignominiosa no Páis inteiro.

E essa mobilização depende de cada um de nós. Eventos, palestras, campanhas, abaixo-assinados, tudo deve formar um conjunto que vá fortalecendo nossa posição.

Conto, então, com sua valiosa presença no dia 20 de Junho, às 19h, no auditório
do Colégio e Faculdade São Bento
, no centro de São Paulo, próximo ao metrô
São Bento.

Há estacionamento dentro do próprio colégio para os que forem de automóvel.

No fim será servido um cocktail para que os assistentes possam se conhecer,
trocar idéias e combinar ações.

Espero sua presença, e de toda sua família.




segunda-feira, 13 de junho de 2011

A cruz incólume de Joplin e uma reflexão sobre o futuro do Brasil

O tornado chegando a Joplin, Missouri, EUA

Sobre a cidade de Joplin, no Estado de Missouri ‒ EUA, soprou o mais devastador tornado da história na noite de 22 de maio.

A base do tornado tinha uma largura de quase um quilômetro e avançou seis quilômetros, ceifando pelo menos 132 vidas.

Centenas de pessoas ainda estão desaparecidas enquanto escrevemos. Quase todos os edifícios em seu caminho ficaram em total ruína.

Compreende-se que o desastre natural tenha sido qualificado de apocalíptico. Os fortes ventos arrancaram árvores e os levantaram pelo ar junto com carros como se fossem folhas secas e os jogaram caoticamente com fúria incontível.

A cidade devastada
O governador do Estado, Jeremiah Johnson, descreveu a região atingida como “zona de guerra”. O presidente do país foi até o local para levar consolo à cidade devastada.

Nada ficou em pé.

Nada?

A igreja católica de Nossa Senhora ‒ St. Mary's Church ‒ ficou bem no meio do caminho do tornado homicida.

A despretensiosa igreja construída em 1938, a escolinha primária, a casa paroquial, o salão paroquial em construção: tudo foi impediosamente arrasado pela fúria da espiral de morte, segundo descreveu o jornal “National Catholic Register”.

O pároco, Pe. Justin Monaghan, no início da tragédia encontrou um refúgio improvisado na casa paroquial. O prédio caiu encima dele. Porém, nada sofreu, tendo ficado preso durante horas até que os paroquianos conseguiram encontrá-lo e cavar entre as ruínas de onde o tiraram são e salvo.

Cruzeiro da igreja de Nossa Senhora, Joplin
Também o Santíssimo Sacramento foi resgatado ileso dos escombros da igreja de Nossa Senhora.

O que sobrou do templo católico?

Uma Cruz, só uma Cruz.

O grande cruzeiro em aço da entrada da igreja.

Na paisagem desolada ele continua estendendo seus braços salvadores sobre a imensa ruína da cidade.

“Vê-lo erguido nos lembra que nossa missão está toda baseada nele”, escreveu o “Eastern Oklahoma Catholic”, publicação da Diocese de Tulsa, Oklahoma.

Encorajados pelo simbolismo da Cruz que se mantém em pé em meio ao caos e à devastação, os católicos se organizaram ativamente com a certeza que o lado material da destruição material vai ser revertido.

O tornado não perdoou nada.
Karen Drake, professora da primeira série na escola primária católica da igreja de Santa Maria, em pé junto as ruínas da paróquia disse: “nossa cruz ainda está de pé. Acho que isso diz muito”.

Verdadeiramente, diz muito. Muitíssimo.

Não é só a cidadinha de Joplin que sofre vendavais devastadores. É a situação do mundo todo, mutatis mutandi.

São as famílias, as instituições fundamentais, o laicato católico, o clero, a própria Santa Igreja Católica, nossa Mãe imensamente amada...

O mundo sente que algo anda mal e muito profundamente mal.

É o pecado. O pecado individual sem dúvida, mas mais do que tudo o pecado coletivo.

O pecado cometido pela sociedade considerada em seu conjunto, em seus costumes e em suas leis.

Baste pensar na recente equiparação pelo STF do “casamento homossexual” com o matrimônio fundado no Sacramento instituído por Nosso Senhor Jesus Cristo, ou com a promoção do homossexualismo entre as crianças em idade escolar com o famigerado “kit anti-homofobia”.

Em meio a essas tragédias continua em vigor no Brasil o Programa Nacional de Direitos Humanos ‒ PNDH-3 que postula o banimento dos símbolos religiosos dos locais públicos.

O que será de nossa amada Pátria se os símbolos protetores de Jesus Cristo, Nossa Senhora e os Santos forem enxotados dela?

Que grau de recusa a Deus representaria, por exemplo, banir o Cristo Redentor que do alto do Corcovado abençoa a nação brasileira?

Veja vídeo
Brasil vencerá com fé
em Nosso Senhor.
Mas, se o PNDH-3 banir Jesus
o que será de nós?
Do ponto de vista da ciência, razões naturais explicam a resistência do Cruzeiro de Joplin ao tornado: ele é de aço e aparenta estar solidamente implantado.

Entretanto, sinais de preservação de símbolos religiosos católicos em meio a tragédias históricas como a do Cruzeiro de Joplin se multiplicam em nossos dias. O Cruzeiro da catedral de Port-au-Prince capital do Haiti; a imagenzinha de Nossa Senhora das Graças no Vale do Cuiabá, na região serrana do Rio de Janeiro, durante as arrasadoras enxurradas em fevereiro deste ano são os mais recentes exemplos.

E estes sinais convidam a uma reflexão prudente mais muito séria do ponto de vista da fé sobre o papel dos símbolos católicos em locais públicos e o futuro do Brasil.




quinta-feira, 9 de junho de 2011

Fiéis católicos chineses vítimas de desastrosa diplomacia vaticana

Cardeal Joseph Zen Zekiun

A Igreja Católica na China está reduzida a um “estado desastroso” por causa da política de aproximação da Santa Sé com o governo socialista de Pequim, escreveu o Cardeal Joseph Zen Zekiun, SDB, bispo emérito de Hong Kong.

Essa política é uma continuação da também desastrosa Ostpolitk conduzida pelo então Mons. Agostino Casaroli com os tiranos do Kremlin e seus fantoches na Europa Oriental.

Há um dialogo legitimo, escreve o cardeal, mas uma coisa diferente é quando “um Papa fala àqueles que estão assassinando cruelmente seus filhos”.

“Devemos procurar palavras doces para falar com aqueles que deram uma bofetada ao nosso amado Santo Padre?” acrescenta o purpurado se referindo às sagrações ilegítimas e praticadas com violência pelo governo comunista no fim de 2010.

Liu Bainian: chefia a Associação Patriótica que persegue os católicos
“O Cardeal Casaroli e seus sequazes se enganavam achando ter praticado milagres, procurando uma política extremada de compromissos, mas na realidade compactuaram a paz com governos totalitários causando uma desastrosa debilitação da Igreja”.

O Cardeal lamentou que de Roma se diz aos católicos fiéis, em última análise: “não vós compreendemos. Malgrado a pressão que sofreis, obedecei às ordens do governo”.

Neste caso, continua o Cardeal Zen, “obedecer ao governo quer dizer faltar gravemente à fidelidade devida ao Papa e à comunhão com a Igreja universal!”

D.Li Shan, bispo de Pequim
que os fiéis acham instrumento da ditadura
Para o Cardeal zen, “só a bondade do Papa não chama de cismática a Igreja oficial da China que quer ser uma Igreja independente com sagrações episcopais sem mandato pontifício”, em alusão ao atual presidente da Propaganda Fidei, Cardeal Dias e seus assessores que ele acusa de seguirem a Ostpolitik de submissão ao comunismo na China.

O cardeal Zen conclui ressaltando dramaticamente que os fiéis da China padecem aguardando em vão que venham de Roma os esclarecimentos indispensáveis.

“Cada dia que passa é uma eternidade para suas dores. Quando afinal o Senhor atenderá suas súplicas?”, pergunta.

quinta-feira, 2 de junho de 2011

Especialistas estudam Internet enquanto tobogã para a possessão

Sacerdotes católicos, psicólogos, médicos, advogados e especialistas em exorcismo alertaram em Roma que o acesso à internet e a novas tecnologias facilita a sedução das seitas satânicas e do culto ao demônio.

O curso foi organizado pela Universidade Regina Apostolorum e visou o risco que correm os jovens que usam internet regularmente, noticiou a BBC Brasil.

O perigo é especialmente grave no caso de jovens frágeis ou que vivem dificuldades, disse o porta-voz da Universidade, Carlo Climati.

Climati explicou que o satanismo como um paroxismo de relativismo: “uma espécie de sociedade ao revés, onde o bem vira o mal e o mal vira o bem”, noticiou ACI Digital.

O padre exorcista Gabriele Nanni disse que as pessoas à procura de distração ou curiosas visitam sites de práticas satânicas e ocultismo apenas para conhecer e sem desejá-lo “sofrem ataques do demônio, ainda que não a ponto de serem totalmente possuídas”.

Giuseppe Ferrari, diretor do Grupo de Pesquisa e Informação Sócio Religiosa (GRIS, na sigla em italiano) apontou que em sites aparentemente não satanistas como, por exemplo, um de rock 'heavy metal' há links para endereços que podem ser pontes para a possessão. “As vias de acesso são infinitas”, acrescentou.

O GRIS recebe diariamente denúncias de pessoas que se sentem vítimas de manipulação mental e abuso psicológico após terem se envolvido com grupos satanistas.

A queda pode ser rápida e imprevista
A alavanca principal que impulsiona a cair nesses sites perigosos é a moda, e a Internet funciona de instrumento para as sinistras potências infernais.

Climati observou que certos jovens acham “bonito” bancar o “anjo rebelde” e se deixam capturar “pela ilusão de uma vida aparentemente livre, sem regras”. Na prática, eles caem num “estado de dependência e de escravidão” ao pai da mentira.

O perito italiano considerou que pela Internet e pelos meios de comunicação os “jovens psicologicamente frágeis” que se divertem praticando “ritos que inventam depois de ter navegado na Internet ou depois da leitura de qualquer livro esotérico”, “infelizmente, às vezes, pode-se chegar a cometer atos de violência ou assassinato”.

A descrição faz lembrar o perfil psicológico mórbido do jovem assassino serial da escola de Realengo, Rio de Janeiro, embora o perito não falasse dele.